Portugal – um enfoque gastronômico

Este será meu post de estreia no “Sempre na Viagem”, do meu amigo Bruno. Me chamo Lu Hazin. O nome “Hazin” é do meu pai, de origem árabe. Tenho também um blog pessoal, voltado para o registro de minhas experiências gastronômicas.

Sou aficcionada por gastronomia. E consequentemente, por viagens. Ou seria o contrário?! rsrs. As primeiras lembranças que tenho da cozinha de minha mãe, são de comidas árabes que ela aprendeu a fazer com a minha vó, da Palestina. Charutos de folhas de uva, de repolho, orelha de gato, kibe, marmaone, mjadra, etc. Foi minha primeira referência gastronômica. Hoje em dia me aventuro a fazer pratos originários de várias culturas e países. Minha cozinha virou laboratório. Frequento restaurantes e viajo para experimentar tudo que ainda não conheço. Foi então que ano passado resolvi ir a Portugal com meu marido numa viagem basicamente gastronômica. E me encantei, claro.

Rio Douro, com a didade do Porto, Portugal

Rio Douro, com a Cidade do Porto em segundo plano – Portugal.

Em meu blog, fiz diversos posts sobre esta viagem. Fui a Lisboa, Porto, região do Douro e Évora. Em todos os lugares, tive experiências fantásticas. Darei algumas dicas aqui.

Na cidade do Porto, há dois restaurantes completamente diferentes, mas ambos, guardadas as proporções, foram nota 10. Um deles é contemporâneo, bem sofisticado, preços mais altos (Restaurante ODE Wine House). O outro é uma “tasquinha” como eles chamam, ou uma taberna, com comidas bem caseiras e tradicionais (Restaurante A Grade). Foi lá que comi um maravilhoso bacalhau…

Bacalhau do restaurante "A Grade" e o polvo do "ODE Wine House", Porto - Portugal

Bacalhau do restaurante “A Grade” e o polvo do “ODE Wine House”, Porto – Portugal

Ah, antes que me esqueça, para os amantes de doces, não se pode deixar de conhecer o Café Majestic no Porto. Tradicionalíssimo. Experimentem as rabanadas com um vinho do Porto 10 anos. Dos deuses…

Rabanada do Café Majestic, Porto - Portugal

Rabanada do Café Majestic, Porto – Portugal

Na região do Douro, próximo a cidade de Pinhão, onde nos hospedamos, nada se compara ao D.O.C., restaurante à beira do rio Douro, vista linda, charmosérrimo. Neste caso, aposte no menu degustação, com entrada, prato principal e sobremesa por conta do Chef. Eu não me arrependi! Observem esta bela sobremesa…

Sobremesa do Restaurante D.O.C. nas margens do Rio Douro

Sobremesa do Restaurante D.O.C. nas margens do Rio Douro

Para os enófilos, vale muuuuito uma visita a uma das diversas vinícolas da região. Eu fui a Sandeman, fabricante de ótimos vinhos do Porto, muito legal, mas gostei mais da Quinta do Crasto. Fomos muito bem recebidos e vivemos um dia muito especial por lá. Está registrado também no meu blog.

Quinta do Crasto, região do Douro, Portugal

Quinta do Crasto, região do Douro, Portugal

Em Évora (região do Alentejo), há o famoso “Fialho”, mas recebi de última hora uma indicação do que seria hoje a melhor referência gastronômica atualmente na cidade, a “Tasquinha d’Oliveira”. Alucinante! O simpático Manuel Oliveira é o proprietário e garçom da casa, que aliás, é mínima, e é necessário reservar com antecedência, pois possui apenas umas 4 ou 5 mesas em seu micro salão. A Chef é a esposa dele. Tem coisa mais típica?! Ele sempre oferece umas “tapas”, ou entradinhas, como por exemplo as pataniscas de bacalhau, deliciosas. Mas não esqueço mais o carneiro que comi ali…

Carneiro assado na Tasquinha d'Oliveira, em Évora, Portugal

Carneiro assado na Tasquinha d’Oliveira, em Évora, Portugal

E em Lisboa, ahhhhh….. aí vocês terão uma infinidade de opções. eu vou me limitar a dizer que não se pode deixar de ir ao bairro de Belém e comer seus famosos e saborosíssimos pastéis de nata, ou pastéis de Belém como são conhecidos. E visitar a Torre de Belém, às margens do Rio Tejo, claro, rsrsrs. É uma fortificação que data do século XVI.

Torre de Belém em Lisboa e o famoso pastel de Belém

Torre de Belém em Lisboa e o famoso pastel de Belém

Enfim, realmente, fica muito difícil resumir em tão poucas palavras tantas experiências vividas em 15 dias na Terrinha, mas para quem tiver interesse em mais detalhes, sempre com este enfoque gastronômico, pode visitar o Na Mesa com Lu Hazin ou ir diretamente nos lugares aos posts que desejar:

Um comentário

  • Faz Simples

    Bruno e Lu,
    Que parceria maravilhosa!
    Pra variar, me conduzindo por mares nunca dantes navegados 🙂 Essa visita a Portugal, muito bem acompanhado por Lu Hazin, carimbou, definitivamente o desejo de estar semprenaviagem em meu passaporte!
    Parabéns e Sucesso sempre, para o nosso deleite! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *